Pesquisar este blog




O Rio São Francisco está secando

terça-feira, 1 de julho de 2014



Os antigos moradores das ilhas  já viram o rio São Francisco correr limpo e preservado e com muitos peixes. Mas isso ficou só na lembrança. Ao longo dos anos, eles testemunharam a degradação descer pela corrente. Agora, assistem a uma drástica redução do volume de água do Velho Chico, o que é tido como algo assustador.

Entre outros motivos, a  falta de chuvas no primeiro semestre e a redução da vazão da usina de Três Marias em Minas Gerais (de 500 para 200 litros por segundo), vêm  ocasionado o "secamento" do rio.

Os moradores das ilhas já temem até o fim do São Francisco e perdem sono com a situação, pois não sabem viver sem o rio. A preocupação é manifestada pelo pescador Mario Rodrigues dos Santos, de 62 anos, pai de sete filhos, um dos moradores da Ilha do Paulista, no município de Xiquexique. 

Sua simplicidade não o impede de constatar que a construção de represas e a retirada indiscriminada de água para irrigação são fatores que mais contribuem para matar o Rio da Unidade Nacional. “De onde só tira água e não põe, a água só pode acabar. Se Deus não tiver dó, este rio só vai diminuir cada vez mais”, alerta, em um misto de tristeza e impotência.

Quem percorrer quilômetros ao longo do rio obterá vários flagrantes de danos ambientais. Um dos mais comuns é a destruição de matas ciliares, denunciada pelos rebanhos pastando perto dos barrancos. Em vários pontos surgem imensas áreas secas no meio do rio, as chamadas “croas”, que, conforme os antigos moradores, aumentam a cada ano, devido ao assoreamento. É isto que também faz com que o rio fique cada vez mais raso. A redução dos cardumes é outra triste realidade, dificultando a vida de quem depende da pesca para viver.

O agricultor e pescador Antonio Ferreira, da Ilha do Meio, se diz assombrado pelo fato de ver o Rio São Francisco secando.  "Para mim, isso é o fim das eras”, diz ele, temendo o apocalipse.

1 comentários:

poético sentir disse...

no leito do rio exite uma dor que não grita, mas, reverbera dentro de nós.

10/9/14 22:31

Postar um comentário