Pesquisar este blog




QUEM SÃO OS COXINHAS?

domingo, 20 de julho de 2014



Os coxinhas são uma espécie de gente mal-resolvida, reclamadora,  e que vai logo colocando a culpa no governo federal acerca de tudo o que não gostam ou desaprovam. 

Coxinhas são reis do senso comum, ideias originais passam longe da tchurma. 

Não andam, desfilam. 

Odeiam os governos, mas adoram um edital de Concurso. 
São invariavelmente analfabetos políticos, desses que torcem sempre pelo pior seja qual for a situação. 

Muitos desses coxinhas  vêm de família pobre, classe média baixa, mas tendo um bom salário, passam a nutrir ódio mortal por pobres, renegando assim suas origens. 

Coxinhas quase sempre destilam baixo astral por onde passam. 
E são mal-humorados, mas do tipo "se achando sempre", acham a maior graça e riem como hienas de porre se algo dá errado na Copa. Pode ser a fila imensa dos banheiros da Arena das Dunas ou o erro de arbitragem qualquer. 

Coxinhas podem ser de um cinismo extremo: gostam de black blocks, se amarram numa lata lixo  para incendiar, deliram quando outro coxinha apedreja a vitrine de agência bancária, surtam quando podem - desde seu camarote vip no Estadio, vaiar a presidente da República. 

Coxinhas são contra cotas para afrodescendentes e indígenas em universidades públicas e são contra qualquer tipo de bolsa-família, a que chamam de bolsa-vagabundagem. 

. 

Coxinhas acham a revista Veja a quintessência do pensamento cidadão refinado. 


Coxinhas  ouvem Arnaldo Jabor e lêem as baboseiras de Reinaldo Azevedo na Revista Veja. 


Coxinhas têm desde 2002 aquela síndrome de medo da Regina Duarte. 

Coxinhas cultivam um jeito um tanto estúpido de ser. 



Fora tudo isso, os coxinhas têm uma capacidade imensa de mudar de opinião e, qual camaleões, gostam mesmo é de fazer os outros rir. 

Coxinhas - entre 19 e 35 anos - costumam ser retirados de protestos por seus próprios pais que vêm logo gritando ao coxinha-filho-assanhadinho: "Vamibora que sou eu que pago sua faculdade!" 
Coxinhas nos fazem passar vergonha alheia, uma atrás da outra, indefinidamente. 

No meu caso, prefiro apenas coxinhas com catupiry, aquelas que comemos e não nos causam mal algum. Nem no dia e nem nos dias seguintes.

0 comentários:

Postar um comentário