Pesquisar este blog




Inflação desmoraliza urubólogos

quarta-feira, 13 de agosto de 2014



Miriam Leitão e Carlos Aberto Sardenberg não devem estar chateados somente com as alterações nos seus perfis no Wikipédia. Há muito tempo eles garantem na Rede Globo – uma propriedade cruzada que inclui jornal, revista, telejornais e outros veículos – que a inflação no país vai explodir. Juraram que esta hecatombe ocorreria em 2011, em 2012, em 2013 e, com certeza absoluta, em 2014. Na sexta-feira (8), porém, o IBGE divulgou a inflação do mês de julho, que atingiu o menor patamar dos últimos quatro anos e não estourou o absurdo teto da meta fixado pelo Banco Central (6,5% ao ano). Depois os dois famosos “analistas do mercado” ainda reclamam de algumas verdades descritas no Wikipédia.

A informação oficial, que desmoraliza novamente os “urubólogos” da mídia rentista, não virou manchete nos jornalões e nem foi destaque nos telejornais. Segundo o IBGE, o IPCA subiu apenas 0,01% em julho, diante de 0,4% em junho. Esta queda não ocorria desde julho de 2010. Entre as causas da redução, estão os preços dos hotéis e das passagens aéreas que despencaram após o término da Copa. Como já era previsto, também houve queda, pelo segundo mês consecutivo, dos preços dos alimentos. Esta notícia positiva, porém, não inibe os “analistas de mercado” – nome fictício dos porta-vozes dos agiotas. Eles seguem exigindo medidas duras contra a inflação, mesmo que isto signifique recessão e desemprego.

Na prática, a oligarquia rentista, com a ajuda da mídia, faz terrorismo para forçar o governo a elevar os juros, cortar os gastos sociais e ampliar a libertinagem financeira. Num primeiro momento, a presidentae Dilma Rousseff até enfrentou esta gritaria dos banqueiros, adotando medidas de ampliação do crédito ao consumo e de restrição à especulação. Durante vários meses, o Banco Central também reduziu a taxa básica de juros, a Selic, que baixou para 7,25% ao ano. Diante do agravamento da crise internacional e da pressão da ditadura financeira, porém, o governo recuou e voltou a elevar os juros – agora em 11%. O resultado foi a redução do consumo, a queda da produção e a diminuição na geração de emprego. 

Em junho último, por exemplo, o emprego industrial caiu 3,1% na comparação com junho do ano passado – a 33ª queda consecutiva e a retração mais intensa desde novembro de 2009. Segundo o IBGE, também foram verificadas perdas no número de horas pagas e no valor real da folha de pagamento na passagem do primeiro para o segundo trimestre. “No ano, o indicador relativo ao número de horas pagas pela indústria acumula queda de 2,9%. Em 12 meses, a retração é de 2,3%. Comparando o resultado de junho com igual mês de 2013, o IBGE revelou que as taxas foram negativas em todos os 14 locais pesquisados e em 16 dos 18 ramos pesquisados”, descreve o jornal Estadão.

Estes dados preocupantes decorrem, principalmente, do recrudescimento da política monetária ortodoxa de elevação da taxa de juros. Mesmo assim, os agiotas financeiros, a mídia rentista e os neoliberais de plantão – como Aécio Neves, o cambaleante presidenciável tucano – exigem a adoção imediata de “medidas impopulares”. Os mesmos “calunistas” da velha imprensa, que juraram que a inflação iria explodir, voltam à carga para criticar a “estagflação” e para exigir a volta do famoso “tripé neoliberal” – juros altos, superávit primário e libertinagem cambial. Diante deste cenário, parece puro factoide político, com objetivos eleitoreiros, todo o escarcéu sobre as alterações em alguns perfis do Wikipédia.


0 comentários:

Postar um comentário