Pesquisar este blog




Israel pede desculpas ao Brasil

segunda-feira, 11 de agosto de 2014


O presidente recém-eleito de Israel, Reuven Rivlin, tentou consertar o estrago causado nas relações com o Brasil, depois que um porta-voz da chancelaria israelense classificou o País como "anão diplomático"; num telefonema nesta segunda-feira, ele esclareceu que as expressões usadas por esse funcionário "não correspondem aos sentimentos da população de seu país em relação ao Brasil"; Rivlin justificou os ataques a Gaza como autodefesa, mas a presidente Dilma voltou a condenar a desproporcionalidade dos bombardeios ordenados pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu; leia nota do Planalto

 



O governo de Israel tentou, nesta segunda-feira, consertar o estrago causado por um porta-voz da chancelaria que classificou o País como "anão diplomático". Nesta segunda-feira, o presidente recém-eleito Reuven Rivlin telefonou para a presidente Dilma Rousseff e pediu desculpas pela grosseria. Leia, abaixo, nota do Planalto:

Nota à imprensa

Presidente de Israel chama por telefone a Presidente Dilma Rousseff

A Presidente Dilma Rousseff recebeu hoje chamada telefônica do recém-eleito Presidente de Israel, Reuven Rivlin.

Na conversa dos dois mandatários, o Chefe de Estado israelense apresentou desculpas pelas recentes declarações do porta-voz de sua Chancelaria em relação ao Brasil. Esclareceu que as expressões usadas por esse funcionário não correspondem aos sentimentos da população de seu país em relação ao Brasil. A Presidente Dilma fez referência aos laços históricos que unem os dois países há várias décadas.

Na conversação dos dois dirigentes foi evocada a grave situação atual da Faixa de Gaza. O mandatário israelense afirmou que o país estava defendendo-se dos ataques com mísseis que seu território vinha sofrendo.

A presidente Dilma afirmou que o governo brasileiro condenara e condena ataques a Israel, mas que condena, igualmente, o uso desproporcional da força em Gaza, que levou à morte centenas de civis, especialmente mulheres e crianças. Reiterou a posição histórica do Brasil em todos os foros internacionais de defesa da coexistência entre Israel e Palestina, como dois Estados soberanos, viáveis economicamente e, sobretudo, seguros.

Manifestando sua esperança de que a continuidade do cessar-fogo e as negociações atuais entre as partes possam contribuir para uma solução definitiva de paz na região, a Presidenta do Brasil enfatizou que a crise atual não poderá servir de pretexto para qualquer manifestação de caráter racista, seja em relação aos israelenses, seja em relação aos palestinos.
 
Fonte: Brasil 247

1 comentários:

Anônimo disse...

Este blog de Gal é só PT o resto é conversa.

12/8/14 12:55

Postar um comentário