Pesquisar este blog




Indonésia recusa pedidos do governo brasileiro e vai fuzilar o brasileiro Marco Archer, hoje às 15 horas de Brasília

sábado, 17 de janeiro de 2015


 



 

O governo brasileiro fez todos os esforços para salvar o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, condenado à pena de morte, afirmou nessa sexta-feira 16 Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais. Segundo ele, a reação do governo da Indonésia pode afetar a relação com o Brasil.

Preso em agosto de 2003 após tentar entrar na Indonésia, pelo aeroporto da capital, Jacarta, com 13,4 quilos de cocaína, o brasileiro será fuzilado neste sábado 17, à 15 horas de Brasília. A principal promessa de início de mandato do presidente recém-eleito no país, Joko Widodo, foi a tolerância zero com os traficantes.

Widodo já havia negado clemência ao brasileiro em dezembro. Nesta manhã, ele recebeu um telefonema da presidente Dilma Rousseff, que apelou pessoalmente pelos brasileiros Marco e Rodrigo Muxfeldt Gularte, que também foi condenados à morte pela Justiça da Indonésia.

O gesto não surtiu efeito. O presidente Widodo disse que não poderia comutar a sentença de Marco Archer, pois todos os trâmites jurídicos foram seguidos conforme a lei indonésia e que foi garantido o devido processo legal aos brasileiros.

"Nós fizemos um movimento muito forte há  cerca de dez dias quando se evidenciou que era iminente a execução de um dos presos. Para nós foi extremamente frustrante porque o presidente Widodo persistiu na posição de levar adiante a execução do Marco Archer", disse hoje Marco Aurélio Garcia.

"Então evidentemente isso vai criar uma dificuldade grande no relacionamento entre Indonésia e o Brasil porque nos parece que, respeitando a legislação daquele país, de qualquer maneira está se utilizando uma pena extremamente pesada para um crime grave, mas que poderia perfeitamente ser resolvido de outra forma", acrescentou o assessor.

0 comentários:

Postar um comentário