Pesquisar este blog




Polícia francesa mata os principais acusados do atentado terrorista

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015


Em duas operações simultâneas, na fábrica da cidade francesa de Dammartin-en-Goële e no mercado do bairro Vincennes, b em Paris, policiais do GIGN, a força de elite da gendarmaria (Policia) francesa, abateram os irmãos Cherif e Said e Amedy Coulibaly, principais autores do atentado terrorista em Paris que fez 12 mortos, o mais mortífero na França desde 1961. Um terceiro homem, companheiro de Coulibaly e três reféns também morreram durante a investida policial no bairro de Vincennes, na periferia de  de Paris.
 

Os três suspeitos de manter reféns em uma gráfica na cidade de  Dammartin-en-Goële e em um mercado de Paris morreram nesta sexta-feira (9) após ações das forças policiais francesas.

Na gráfica de Dammartin-en-Goële estavam os irmãos Said, 34, e Chérif Kouachi, 32, acusados de terem cometido o ataque contra o jornal "Charlie Hebdo" na quarta-feira (7). Eles mantinham uma pessoa refém, que saiu ilesa.

No mercado dos arredores de Paris , cerca de cinco reféns eram mantidos por um homem suspeito de ser o mesmo que havia cometido o ataque de quinta-feira (8 )em que matou uma policial.

Entre as vítimas dos terroristas está o diretor da publicação do jornal Charlie Hebdo, Stéphane Charbonnier conhecido como Carb  e mais três famosos cartunistas.  Foram mortos, na ação,  oito funcionários do jornal, um colaborador da publicação, um funcionário do prédio em que funciona o veículo e dois policiais. Além dos mortos, 11 ficaram feridos sendo   quatro em estado grave.

Esse foi o  pior ataque contra profissionais da imprensa desde 2009, segundo o Comitê para a Proteção de Jornalistas e o atentado mais mortífero na França desde 1961.

0 comentários:

Postar um comentário