"Super Aécio" e seus caudatários embarcam num avião militar da FAB para salvar a Venezuela

quinta-feira, 18 de junho de 2015


 
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), trata sua ida à Venezuela como uma missão política e diplomática, para fazer "aquilo que o governo brasileiro deveria ter feito há muito tempo".

Esta foi a mensagem divulgada por ele em um vídeo publicado em sua página no Facebook pouco antes da viagem. No avião da FAB, ele está acompanhado dos senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP), Agripino Maia (DEM-RN), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Sérgio Petecão (PSD-AC) e Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

"Estamos aqui no Legacy da FAB (...) embarcando para a Venezuela numa missão política e talvez também diplomática, fazendo aquilo que o governo brasileiro deveria ter feito há muito tempo, defendendo as liberdades da democracia, libertação dos presos políticos e eleições livres na Venezuela", diz Aécio.

Por volta de 14h30 (horário de Brasília), o PSDB informou, via Twitter, que os parlamentares pousaram em Caracas. "Senadores da oposição já estão em Caracas para visita em solidariedade aos presos políticos do regime bolivariano de Nicolás Maduro. É a primeira vez que autoridades com mandato prestam solidariedade aos presos políticos venezuelanos", diz a mensagem.

Hoje mais cedo, em entrevista concedida ao jornalista Fernando Rodrigues, Aécio falou sobre o tema: "O que me chama mais a atenção é que o Brasil é governado por uma ex-presa política, que não se comove, não se solidariza com a situação pela qual passam hoje presos políticos num país aqui tão próximo ao nosso. Essa omissão do governo brasileiro na questão da Venezuela é vergonhosa. Avilta a nossa dignidade enquanto cidadãos, enquanto democratas".

Na mesma entrevista, ele também defendeu o mandato de 10 anos para senador. "O que começa a surgir como uma alternativa, não é algo que eu goste, é mandato de 10 anos sem possibilidade da reeleição. O senador teria um mandato de 10 anos e não teria o direito sucessivo a reeleições, como tem hoje. Ameniza um pouco? Talvez", disse.

0 comentários:

Postar um comentário