Michel Temer diz que é "quase" obrigado a romper com o governo

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015



O vice-presidente Michel Temer (PMDB), que até já definiu sua equipe ministerial, rebate acusação de conspirador e se diz “quase obrigado” pelo próprio partido a romper com o governo: “Eu repudio veementemente essas colocações, que na verdade, não se prestam a colaborar com o governo, e muitas e muitas vezes, vejo que isso nasce do próprio governo”.

“Não foram poucos os setores políticos e da sociedade que me procuraram para dizer que o Brasil deveria tomar outro rumo. Sempre recusei qualquer participação em movimento dessa natureza. Setores interessados começaram a divulgar que eu faço conspiração”, acrescentou.

Em entrevista na mídia, ele reafirma que o ‘impedimento, embora seja uma crise política indesejável, não significa que é contrário à Constituição’. 

Sobre a polêmica carta à presidente Dilma, disse que as brincadeiras geradas na internet serviram para o “popularizar e humanizar”. Quanto a reação da presidente, afirmou: “Ela foi muito franca comigo, estava bastante emotiva quando nos falamos. Foi uma conversa boa. Eu disse das minhas razões, ela mesmo disse: “Será que eu fiz essas coisas?’.

Quanto à operação da PF com o foco em Eduardo Cunha, presidente da Câmara, disse: “Paciência, paciência. Quem foi acusado se defenderá e saberá como provar sua inocência e sua não participação em certos fatos”.

0 comentários:

Postar um comentário