Pesquisar este blog




Salvador não adere a presepada golpista

domingo, 13 de dezembro de 2015





A manhã quente e ensolarada deste domingo, 13, se mostrou bem mais atraente para o banho de mar do que para manifestações de rua em Salvador, onde a Polícia Militar estimou em 500 o número de pessoas que participaram do protesto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O público foi bem menor que o de eventos anteriores, e que o esperado pelos organizadores dos movimentos Vem Pra Rua e Na Rua.

Os organizadores acreditavam reunir cerca de cinco mil pessoas até as 14 horas no Farol da Barra, onde aconteceram os protestos, mas findaram afirmando que entre 1.500 e 2 mil pessoas estiveram no local, pela manhã.

Líderes do Vem Pra Rua garantiram que o objetivo não era realizar uma grande mobilização, mas manter o clima de impeachment na rua. Segundo o movimento, o grande evento popular está marcado para o dia 13 de março de 2016, ou seja, daqui a três meses, em data mais próxima à votação do impeachment.

O deputado federal e presidente estadual do DEM, José Carlos Aleluia, o deputado estadual Heraldo Rocha (DEM) e o verador Eraldo Tinoco (DEM) estiveram presentes. O presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, e o prefeito ACM Neto (DEM) não participaram do protesto.

Durante a manifestação, que acabou por volta de 13 horas, foram ressaltados os nomes dos parlamentares que são a favor do impeachment.

Vestida de verde e amarelo, a professora Carla Matos de Souza, 48 anos, sempre presente a todos os eventos contra o governo petista, se disse, porém, decepcionada. "A gente esperava que fosse algo mais forte, pelo que vem se falando nos meios de comunicação, nas redes sociais, pela indignação popular com o que estão fazendo contra o Brasil e a classe trabalhadora. Mas quando a gente chega aqui, vê esse numero de pessoas, é triste. Parece que tudo não passa de discurso da boca pra fora", desabafou ao deixar o local, em companhia de outras duas amigas, igualmente decepcionadas, por volta das 13 horas, quando o público começou a se dispersar.

Ela ainda chamou atenção para os representantes de classe que discursaram contra o governo federal, defendendo a continuidade do processo de impeachment e das investigações da Operação Lava Jato. "Ao menos eles vieram dar voz ao evento e aos nossos sentimentos", comentou referindo-se a alguns políticos de partidos de oposição ao governo, e representantes do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do Brasil, dos Médicos e outras categorias. No gramado em frente a farol foi estendida uma enorme faixa com a inscrição "Fora, Dilma", para que as pessoas pudessem expressar, por escrito, o seu sentimento sobre o governo Dilma.

Duzentos e sessenta e um policiais militares fizeram a segurança da manifestação, que transcorreu de forma pacífica.
A TARDE

0 comentários:

Postar um comentário