Pesquisar este blog




Temer não é golpista, é traidor

terça-feira, 8 de dezembro de 2015




"Sei que a senhora não tem confiança em mim e no
PMDB, hoje, e não terá amanhã" (Michel Temer).

Dilma disse: eu confio no meu vice.
O vice disse: não, ela não confia em mim.

Com a carta Temer mostrou que ele tem razão: ele não é confiável. Dilma nunca deveria ter confiado nele.

Um vice que abandona o seu governo no momento mais crítico passa para a história com um só epíteto: traidor.

Não é golpista, é traidor.

A sua carta desequilibra o jogo do impeachment em favor de Eduardo Cunha, de quem Temer parece ser mais próximo do que imaginava a nossa vã filosofia.

Dilma tem agora apenas um aliado de peso no PMDB: Renan Calheiros.

Não dá para dizer que Leonardo Picciani tenha algum peso, principalmente depois de ter sido reduzido a pó pelo missivista inesperado.

A carta-bomba do Temer é um claro sinal para os peemedebistas abandonarem o navio.

Ele não é o capitão do golpe, como definiu Ciro Gomes, mas o capitão do motim.

País dos delatores, o Brasil ganha o seu primeiro grande traidor do século 21.

E o vice ganha, finalmente, o protagonismo perdido.

Assume o papel desprezível de Brutus, de Joaquim Silvério dos Reis e do Cabo Anselmo. E revela que a sua grande especialidade é a punhalada pelas costas.

A carta é um divisor de águas, que as tornou mais turvas.

Temer abandona o papel de mordomo de filme de terror e assume o do Frankenstein.


Alex Solnik

0 comentários:

Postar um comentário