Bandeira de Mello: "Lula vai ganhar a próxima eleição"

domingo, 6 de março de 2016



Para  o jurista, a condução coercitiva de ex-presidente foi absurda e ilegal

O professor Dr. Celso Antônio Bandeira de Mello, um dos mais respeitáveis juristas do País, em entrevista exclusiva ao Jornal do Brasil, criticou a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, realizada na última sexta-feira (4), pela 24ª fase da Operação Lava Jato. Para ele, o mandado foi absurdo, ilegal, e correspondeu a uma tentativa de ferir a imagem de Lula. No entanto, o episódio o fortalece, garante o jurista.

"O tiro saiu pela culatra. Quiseram humilhar o Lula e não conseguiram. Ele vai percorrer o país, intensificar a militância política, e ganhar a próxima eleição. Ou eles conseguem impedi-lo de se candidatar ou ele ganha a eleição", afirma Bandeira de Mello. 

Na foto, à esquerda, o professor Celso Antônio Bandeira de Mello, sendo condecorado
Ele aponta a ilegalidade na condução coercitiva do ex-presidente: "Você levar uma pessoa sob condução forçada, que não se recusou a depor, é uma injuridicidade. As pessoas responsáveis por isso mereceriam uma punição exemplar, ser excluídos da magistratura", cobra. 

Para o jurista, "Lula sempre foi condescendente com os adversários", nunca retaliando ninguém. "Acho que se ele continuar leniente em relação aos adversários ele vai se dar mal. Ele deve tomar as atitudes que já deveria ter tomado há muito tempo".

Bandeira de Mello criticou ainda a imprensa brasileira, monopolizada em sua opinião: "Não há liberdade de imprensa. Não existe liberdade de imprensa se quatro ou cinco empresas dominam a informação pública. Não há uma expressão da verdade, mas de interesse. Deve-se disciplinar as empresas deste setor, regulamentando-as. Alguém que tem jornal não deve ter televisão". 

O jurista diz não entender como "o governo financia os que atacam a ele". "Por que financiar os adversários? Se deixar de financiar vão à míngua e morrem", referindo-se a grandes veículos de comunicação. 
Com informações do Jornal do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário