12 mil empregados da Petrobras são incentivados a pedir demissão voluntária

domingo, 3 de abril de 2016




A diretoria executiva da Petrobras aprovou um plano de desligamento voluntário para até 12 mil empregados, o que representaria um custo de R$ 4,4 bilhões com as demissões e uma economia da ordem de R$ 33 bilhões até 2020 se considerada adesão total ao plano.

O programa de cortes de pessoal representa 21% do quadro de 57 mil funcionários próprios da Petrobras controladora e abrange o universo de empregados com condições de se aposentar, informou a companhia em comunicado nesta sexta-feira.

A Petrobras, que tem buscado reduzir custos em meio à baixa dos preços do petróleo e alto endividamento, já tinha anunciado na quarta-feira uma redução de sete para seis no número de diretorias e mudanças no modelo de governança e gestão que representam corte de 43% nas funções gerenciais em áreas não operacionais.

A petroleira afirmou que o objetivo do plano de desligamentos divulgado nesta sexta-feira é adequar a força de trabalho às necessidades do Plano de Negócios e Gestão, elevar a produtividade e gerar valor para a companhia.

O período de inscrições ao plano vai de 11 de abril a 31 de agosto de 2016 e, conforme a Petrobras, “foi desenvolvido tendo como base as premissas de preservação do efetivo necessário à continuidade operacional da companhia, com ajuste de pessoal em todas as áreas”.

A petroleira reportou na semana passada um prejuízo recorde de quase 37 bilhões de reais no quarto trimestre de 2015, afetado por baixas contábeis relacionadas ao declínio do preço do petróleo e à perda do grau de investimento.

Em 2015 como um todo, o prejuízo da estatal foi de R$ 34,8 bilhões, ante prejuízo de R$ 21,6 bilhões em 2014.

O primeiro plano de demissão voluntária da Petrobras foi lançado em janeiro de 2014 e já teve 6.254 desligamentos. Outros 1.055 empregados inscritos no programa de saída deixarão a empresa até maio de 2017, segundo a empresa.

0 comentários:

Postar um comentário