Pesquisar este blog




Nos últimos 90 anos apenas 5 presidentes brasileiros conseguiram completar o mandato

quinta-feira, 21 de abril de 2016



Num país onde apenas cinco presidentes eleitos conseguiram completar seus mandatos nos últimos 90 anos, demonstrar a disposição de resistir contra o golpe de 17 de abril Dilma marca uma diferença importante. Deixa claro que não está na luta por um emprego nem por vantagens pessoais mas porque há uma causa maior em jogo. "Sou uma presidente eleita por 54 milhões. Isso ninguém me tira."
         
Dilma considera que a conspiração pelo impeachment produziu um "streap-tease de traições". Confessa seu espanto ao lembrar que a traição de um vice-presidente é um caso jamais visto em democracias. A presidente tem razão e é fácil entender por que.
         
Lutas dessa natureza, longe do voto popular, são anteriores ao período histórico inaugurado pela Revolução Francesa. Envolvem o tempo mais primitivo da evolução humana, quando as disputas políticas estavam limitadas ao círculo íntimo de quem tinha acesso ao trono e produziam tragédias em sequência. Willian Shakespeare fez um bom retrato desse universo pré-democracia no Ocidente.

Há outros exemplos. No Oriente, no auge do império turco-otomamo, a sucessão de um único sultão envolveu uma série de doze homicídios antes que houvesse acordo para o escolhido.
         
Deixando mortes e assassinatos de lado, cabe constatar: apenas uma conspiração bruta, de cidadãos acima da lei, quando o povo não tem direito a votar nem de se manifestar, pode produzir o espantoso enredo de 17 de abril.
          
Tudo começou numa denuncia formulada por um ministro do TCU investigado por aceitar suborno de empresa com problemas de sonegação fiscal. Encaminhada pelo presidente do Congresso, ele também réu de uma investigação por corrupção, a decisão foi apresentada por um relator que, por sua vez, está condenado por crime eleitoral. Se estamos discutindo corrupção, cabe perguntar: precisa de mais?
          
Não precisava mas apareceu. Ao elogiar o torturador-chefe, Carlos Alberto Brilhante Ustra, Jair Bolsonaro trouxe o crime que nos espreita, a ameaça que ronda, as masmorras medievais que nunca merecemos  e pensávamos que seriam fechadas para sempre. Seriam museus, para levar filhos e netos aos domingos, oferecendo lições gratificantes sobre um inferno que não voltará.
       
"O que mais me indigna nessa altura da vida de democrata é alguém elogiar o maior torturador de São Paulo", disse Dilma, que, como presa política, chegou a ser ameaçada de morte, por Ustra, que atuava no submundo da repressão com o nome de major Tibiriçá e certa vez lhe disse que, se não tivesse bom comportamento, iria "morrer com a boca cheia de formiga."
        
Depois de criticar, durante muitos anos, Lula e Dilma sobre alianças políticas inconvenientes, que manchavam o passado de sua luta democrática, numa manifestação até correta em muitos momentos, herdeiros do PMDB de Ulysses Guimarães e do PSDB de Franco Montoro desfilam de mãos dadas com Bolsonaro. 
        
Aplaudem seu voto, querem seus serviços, calam sobre seus pronunciamentos -- em tom de fantasmagoria que ameaça.
        
Habitante daquele mundo de formigas que o coronel Tibiriçá  mencionou para ameaçar uma moça de vinte e poucos anos, está longe de ser um morto-vivo tolerado porque inofensivo, ainda que assustador. Amamentado por tantas iniciativas democráticas, o vulto faz movimentos de quem perdeu o pudor e tenta ressuscitar.
        
É isso, meus amigos.  Estamos vivendo uma história maligna que insiste em voltar.  

0 comentários:

Postar um comentário