Pesquisar este blog




MINISTÉRIO DOS CORRUPTOS

sexta-feira, 13 de maio de 2016




A bancada do PT na Câmara fez duras críticas ao time escalado pelo presidente em exercício Michel Temer para seu governo; "Equipe ministerial de Temer está repleta de políticos investigados por corrupção, desvio de verbas, citações na operação Lava Jato e suspeitas de ligação com esquemas criminosos. O próprio Michel Temer foi citado na Lava Jato, enquadrado na Lei da Ficha Limpa e está inelegível por oito anos, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP)", diz material da bancada petista; conheça o "currículo" de 13 dos 22 ministros de Temer

 


A bancada do PT na Câmara divulgou nesta sexta-feira, 13, as acusações que pesam contra a maioria dos ministros do governo Michel Temer. Os deputados petistas criticaram o fato de não haver nenhuma mulher, nem negros no primeiro escalão de Temer, fato que não ocorria desde o governo do general Ernesto Geisel (1974-1979), na ditadura militar.

"A valorização das mulheres e negros foi uma constante nos governos populares de Luiz Inácio Lula da Silva e da primeira presidenta mulher de nossa história: Dilma Rousseff. Os governos do PT consideraram a inclusão de negros e mulheres como uma política de Estado e ampliaram a participação no governo de representantes ligados a essas pautas. Esse é um dos retrocessos que, depois do golpe, o Brasil pode esperar no ministério do golpe de Michel Temer", diz o texto do bancada petista.

Contrastando com a cara da população brasileira, o perfil do ministério será de homens, brancos, com idade avançada, alto poder aquisitivo e, claro, sem ter chegado ao poder pela via do voto direto, vindo das urnas.

Os riscos ao país não param por aí. A equipe ministerial de Temer está repleta de políticos investigados por corrupção, desvio de verbas, citações na operação Lava Jato e suspeitas de ligação com esquemas criminosos. O próprio Michel Temer foi citado na Lava Jato, enquadrado na Lei da Ficha Limpa e está inelegível por oito anos, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP).

0 comentários:

Postar um comentário