Temer planeja que os aposentados ganhem menos do salário mínimo

sábado, 21 de maio de 2016



A ascensão de Michel Temer à presidência, caso haja o impeachment de Dilma Rousseff, pode acender o sinal verde para um plano de governo pouco popular. E bastante polêmico. Chamado de “Uma ponte para o futuro”, o documento do PMDB defende a desindexação do salário mínimo para a Previdência. Ou seja, se o plano for aprovado, o piso para a aposentadoria poderá ser menor do que o mínimo. O objetivo é reduzir impostos e inflação.
Hoje, quem se aposenta não pode receber menos do que R$ 880, o salário mínimo em vigor. O aumento da idade mínima para deixar o trabalho também é uma máxima do programa.
Cortar os aumentos automáticos de quem é beneficiário da Previdência (aposentados, pensionistas, mulheres que recebem auxílio-maternidade) e do salário mínimo é outra proposta do “Uma ponte para o futuro”.
Segundo propõe o documento, todos os anos o Congresso votará um índice. A premissa, segundo o texto, é não impactar a inflação. “A indexação dos gastos públicos agrava o ajuste em caso de alta da inflação. Nunca devemos perder de vista que a maioria da sociedade não tem as suas rendas indexadas, dependendo sempre do nível de atividade econômica para preservar seu poder de consumo”, diz o texto.
Como parte das propostas alteram leis, elas devem ser transformadas em PEC e levadas à Câmara e ao Senado. O documento propõe, ainda, que saúde e educação não recebam cotas obrigatórias de investimentos.
Quando aposentar?

No que diz respeito à idade para se aposentar, o documento defende que nos países desenvolvidos, com exceção de poucos asiáticos, os trabalhadores deixam o trabalho com 67 anos, em média.
Como no Brasil a expectativa de vida está aumentando, seria justo que os trabalhadores aposentassem mais tardiamente. “É preciso ampliar a idade mínima para a aposentadoria, de sorte que as pessoas passem mais tempo de suas vidas trabalhando e contribuindo, e menos tempo aposentados”, pontua o plano.
Na avaliação do economista especialista em Previdência José Prata Araújo, o documento pune o trabalhador e as pessoas de idade mais avançada, enquanto as grandes fortunas seguem sem ser taxadas. Ele defende, ainda, que a sociedade seja ouvida antes de as medidas serem colocadas em prática. “Um candidato nunca seria eleito com um plano de governo desses. Só entrando indiretamente na presidência para emplacá-lo”, critica.

0 comentários:

Postar um comentário