Pesquisar este blog




PARENTE JÁ ERA

sexta-feira, 1 de junho de 2018



 O presidente da Petrobras, Pedro Parente, pediu demissão na manhã desta sexta-feira (1º) em caráter "irrevogável e irretratável".
Parente ficou exatamente dois anos no comando da Petrobras, já que tomou posse no dia 1º de junho de 2016.
De acordo com comunicado da estatal, enviado ao mercado, a nomeação de um CEO interino será examinada ao longo do dia pelo Conselho de Administração. Ainda de acordo com o comunicado, a diretoria executiva da companhia não sofrerá qualquer alteração.
Em uma carta enviada ao seu chefe Michel Temer, com quem se reuniu na manhã desta sexta, Parente diz que a greve dos caminhoneiros e "suas graves consequências para a vida do país" desencadearam um debate "intenso e por vezes emocional" sobre as origens da crise.
E que a política de preços da Petrobras adotada durante sua gestão foi colocada sob "questionamento". Ele, porém, diz que os "resultados obtidos revelam o acerto do conjunto das medidas que adotamos, que vão muito além da política de preços".
"Tenho refletido muito sobre tudo o que aconteceu. Está claro, sr. "presidente", que novas discussões serão necessárias", diz Parente na carta.

Parente  estava, por volta das 11h30 de hoje,  em reunião com Michel Temer. O encontro - e a demissão - ocorrem após o grupo de Temer lançar medidas com custo de R$ 13,5 bilhões para baixar o preço do óleo diesel.

0 comentários:

Postar um comentário