Pesquisar este blog




FARRA NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA: MUITO UÍSQUE, ESPUMANTE E CACHAÇA

domingo, 23 de dezembro de 2018



Enquanto o Brasil implode em desemprego e segue ladeira a baixo por conta da crise financeira, a presidência da República prova que só falta dinheiro neste país para socorrer o povo, porque político no Brasil vive bem, mas muito melhor quando tem um cartão corporativo no bolso.
A presidência comprou mais de 100 tipos bebidas alcoólicas entre vinhos, uísque, cerveja e até cachaça.
 
Mas ferindo a Lei de Acesso a Informação, a Secretária-geral da Presidência da República não informa quantas bebidas foram compradas e nem quanto gastou do dinheiro público.

Sob alegação que a informação deve se manter sigilosa por uma questão de segurança nacional. Esconder informação é ilegal, mas comprar e pagar com dinheiro público não.

Obedecendo os critérios estabelecidos na lei que a regulamentou está tudo certo.


Mas o que consiste a lei? Basicamente que o presidente pode promover banquetes que ofereçam de camarão a caviar regado das mais finas bebidas junto com seus convidados para discutir questões internacionais ou como vai prejudicar ainda mais o trabalhador brasileiro tudo acompanhado de muito uísque, espumante e cachaça sabendo que não precisa se preocupar com a conta. O povo paga mais essa também. O ex-vice não teve força, poder ou moral para conduzir a crise.
Algumas despesas continuam a chamar atenção. Os gastos do governo federal com cartão corporativo, por exemplo, já somam R$ 33,4 milhões somente este ano. A Presidência da República foi o órgão que mais gastou por meio dos cartões.

Os dispêndios da Presidência e suas unidades gestoras atingiram R$ 8,6 milhões, isto é, quase 26% do total. Vale ressaltar que quase a totalidade dos recursos (90%) foi desembolsada de maneira secreta, de forma que não se sabe o que efetivamente foi comprado. As informações são protegidas por sigilo, nos termos da legislação, “para garantia da segurança da sociedade e do Estado”.

0 comentários:

Postar um comentário